• Larissa Maciel

MHC: uma história de tradição no esporte mossoroense

O Mossoró Handebol Clube é um dos "brasões" conhecidos no município quando o assunto é handebol.

Quem conhece o handebol em Mossoró, certamente já ouviu falar no Mossoró Handebol Clube. A equipe amadora da modalidade atua desde o ano x no município e literalmente leva o nome da cidade para toda a região e competições vizinhas. Além de contar com a equipe masculina, o MHC também tem a força e a cara da mulher no esporte. Mikelly Câmara, uma das mulheres a frente do projeto, nos conta um pouco dessa história.


1- Como começou a equipe?


A maioria das atletas eram alunas de handebol das escolas e decidiram se juntar para treinar. Em seguida o Mossoró Handebol Clube (MHC) que originalmente só tinha o naipe masculino ofereceu a oportunidade de fazermos parte da equipe.


2- Quais eram as principais dificuldades?


As dificuldades são praticamente as mesmas desde o início da equipe, levando em consideração também por ser feminino, muitas tem suas tarefas familiares que limitam sua participação efetiva nos treinos e campeonatos, mas dentro as principais dificuldades temos:


- Local de treino acessível financeiramente. Muitas vezes os locais para alugarmos só disponibilizam horários muito tarde da noite, o que prejudica uma quantidade de presença das atletas;

- Falta de recursos financeiros pra compra de materiais e despesas pra participar das competições fora da cidade.


3- Como vê o crescimento do handebol feminino na região?


Em bastante ascensão! Hoje temos a felicidade de mais mulheres jogando, formando novas equipes, e grande parte tiveram uma passagem por nossa equipe. Para um esporte que não é tão valorizado e se tratando do feminino isso é muito gratificante!


4- O que ainda falta para as mulheres dentro e fora de quadra?


Projetos voltados para saúde da mulher, incentivos financeiros e parcerias com a mulher esportista. Como entidades de recreação que possam ficar com os filhos enquanto treinam, clinicas de fisioterapia, de estética, academias, escolas que possam alugar com valores e horários acessíveis sua quadra, médicos que possam auxiliar na saúde e bem estar, psicólogos que ajudem no rendimento esportivo da mulher… falta um olhar como um todo para incentivar a mulher no esporte. Saber que ela pode sim, ser mãe, esposa, profissionais e também uma atleta de alto redimensionamento.


5- O que a equipe espera para este ano?

Estamos em reestruturação organizacional, iniciamos um trabalho psicopedagógico de treinamentos físicos e táticos, com objetivo de fortalecer a harmonia, amor e respeito pelo handebol. O pensamento para este ano é de preparação para os anos seguintes.


11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo