• Larissa Maciel

Súmula de Tarcísio cita atuação do 4º árbitro e arremessos de cerveja

Jogo foi polêmico do início ao fim. Arbitragem pouco conseguiu conduzir a partida.

Momento em que o árbitro volta atrás e marca o pênalti - foto: reprodução/Sidys TV

O jogo foi quente do início ao fim. A primeira penalidade marcada no jogo, no entanto, foi tranquila. Aos 8 minutos, a bola bate no braço do zagueiro Mateus, do Potiguar de Mossoró, e o árbitro Tárcisio Flores marca pênalti bem convertido por Thyago Potiguar. A polêmica só começou aos 40 minutos do primeiro tempo, quando em jogada na área, a bola bate no braço do defensor Gabriel, do leão do Seridó, interceptando o lance do alvirrubro mossoroense.


Na jogada, a reclamação pode ser dupla. Primeiro porque nas imagens cedidas pela Sidys TV, a bola pode ter entrado por completo no lance, o que já caracterizaria o gol legal. Mas a reclamação é quanto a infração de Gabriel ao tocar a bola com o braço e pelo pênalti ter sido marcado pelo 4º árbitro do jogo, Lucas Silva. Ele chama Tárcisio Flores, que deixou o lance seguir mesmo estando de frente para a jogada, e convence o árbitro a marcar a penalidade, gerando a revolta de todo o banco do Potyguar de Currais Novos. O primeiro tempo só acabou com 60 minutos, depois de Napão ter convertido a cobrança e empatando o jogo.


Na volta para a segunda etapa, logo aos cinco minutos, o jogo foi novamente paralisado para a expulsão de gandulas. O Potiguar de Mossoró, através da sua assessoria de imprensa, também denunciou tentativas de agressão.


"Gândulas do Potyguar de Currais Novos agrediram de forma covarde, Everson, mordomo do Potiguar. Também tentaram agredir e ameaçaram de morte Fabiano Morais, diretor de comunicação do Potiguar e Marcelo Diaz"


Mas o jogo seguiu. O visitante conseguiu virar o jogo com Harrison, mas viu Jadson empatar a partida aos 40 do segundo tempo. Logo após o fim da partida, o meia Thyago Potiguar, autor do primeiro gol do leão do seridó e uma das peças mais importantes do elenco, esbravejou contra a arbitragem e ainda tentou agredir o diretor de comunicação do Potiguar, Fabiano Morais, o acusando de ter sido, segundo ele, o "VAR do jogo". Thyago alegou que a assessoria do clube teria mostrado o vídeo que comprova a penalidade máxima para o alvirrubro, cobrada por Adriano Napão. Veja vídeo:

A súmula do árbitro Tarcísio Flores só saiu na segunda-feira (21). Primeiro, ele aponta o motivo da expulsão de Gabriel.

Motivo: 1400 - Impedir um gol ou acabar com uma oportunidade clara de gol, com uso intencional de mão na bola - APÓS SER INFORMADO PELO ÁRBITRO RESERVA, SR. LUCAS SILVA DE MEDEIROS, EXPULSEI DE FORMA DIRETA O SR. GABRIEL DA SILVA MATIAS, Nº 6, POR IMPEDIR UM GOL COM O USO INTENCIONAL DA MÃO. INFORMO QUE O MESMO SAIU DO CAMPO DE JOGO SEM RESISTÊNCIA.


Depois, frisou as latas de cervejas arremessadas para dentro do gramado e ainda a expulsão de gandula no início do segundo tempo. O árbitro, em nenhum momento, relata a demora para o fim do primeiro tempo, alcançando os 60 minutos.


1- Segue documento anexo do delegado da partida, sr. Marcos Aurélio b Dantas, relatando evento ocorrido antes do início da partida.

2- Foi solicitado pelo representante da federação, sr Gabriel f Souza, que constasse em súmula que no intervalo da partida ao passar em frente a torcida do a.c.d Potyguar Seridoense foi arremessada em sua direção uma lata contendo cerveja, frisa-se que o mesmo foi atingido apenas pelo conteúdo liquido do recipiente.

3- Aos 41 minutos do segundo tempo fui alertado pelo assistente 2, sr. Willamy da silva santos, que foi arremessada em direção ao campo de jogo uma lata de cerveja vinda da torcida da equipe do a.c.d. Potyguar seridoense, prontamente removi do campo de jogo. observação: segue, também anexo, imagem das latas arremessadas.

4- participo que aos 5 (cinco) minutos dos segundo tempo expulsei o sr Allan Patrese Araújo de Macedo (cpf 096.708.754-63), gandula da partida, por confusão a respeito de propriedade de uma bola que estava em posse de componente da delegação do a.c.d potiguar (mossoró) nas proximidades do túnel de acesso ao gramado.


O curioso é que o árbitro não cita a necessidade da ação da Polícia Militar por diversas vezes no jogo e que ainda, no final da partida, houve outro princípio de discussão entre o meia Thiago Potiguar, dando entrevista a TV local e, em sequência, tenta tirar satisfações com o diretor de comunicação do Potiguar de Mossoró, Fabiano Morais.


Em contra partida, o que alega o Potiguar de Mossoró quanto a ameaças físicas e de morte aos assessores também não consta na avaliação do árbitro.


A súmula, que poderia ser uma nova ferramenta após todas as polêmicas, na verdade parece falar de um jogo "comum", que foi incomum.



43 visualizações0 comentário